Ouça a Rádio Ao Vivo

Ferida no Líbano diz ter deixado o Brasil após agressão do marido

Foto: Reprodução/Mídias Sociais

A brasileira Fatima Boustani, de 30 anos,  ferida em um bombardeio no início do mês em Saddikine, no sul do Líbano, afirma que deixou o Brasil após sofrer uma agressão do marido que, depois da denúncia, fugiu e viajou com os filhos.

Em entrevista ao ‘Uol’, Fátima contou que Ahmed Aidibi ‘tentou matá-la’ em setembro de 2023, na casa onde os dois moravam com os quatro filhos em Marília, no interior de São Paulo.

O casal começou a discutir, o que chamou a atenção de outros moradores. Preocupados, eles foram até a casa e flagraram Fátima sendo enforcada pelo marido no quarto deles.

A polícia foi chamada pelas testemunhas, mas Ahmed fugiu em seguida para Itapevi. Ele levou o telefone de Fátima, os registros de nacionalidade estrangeira e os passaportes da família. Além disso, pediu para o irmão dele buscar os filhos.

Uma semana depois, ele viajou para o Líbano com as crianças. Fátima e o advogado registraram uma denúncia no 5º DP de Marília, sob o argumento de que Ahmed a enganou para assinar um termo que autorizava a viagem com os filhos. Segundo a mulher, ele a disse que os papéis estavam relacionados ao processo de liberação da nacionalidade brasileira dela, que é natural do Líbano.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP), o caso foi arquivado. A Polícia Civil começou a investigá-lo, mas concluiu que “não houve constatação do crime”, uma vez que o pai tinha a autorização da mãe para a viagem.

Marido nega as acusações

Ahmed Aidibi negou as acusações, e disse que se tratava de uma ‘”briga de casal” em que ele estava falando alto. Além disso, ele explicou que levou os filhos para o Líbano porque eles não conseguiram se acostumar com o idioma e a escola no Brasil. Ele não justificou o motivo de ter pedido ao irmão para buscar as crianças.

Além disso, Ahmed contou que conversa diariamente com a esposa – Fátima nega, e diz que liga apenas para conversas com os filhos.

Na entrevista, a mulher disse que pretende voltar para o Brasil para se recuperar e recomeçar a vida ao lado dos filhos.  ”Tenho muito medo de ficar aqui [no Líbano] após o ataque. Quero recomeçar e cuidar dos meus filhos aí”, afirmou. Ela também acrescentou que está em contato constante com o embaixador do Brasil no Líbano.

Fonte: Portal IG

fonte original do Montanhas Capixabas

Confira mais Notícias

Sem capacete, meninas são flagradas pela GCM trafegando com moto

Situação e oposição fazem convenções no mesmo dia em Marataízes

Cafeicultura sustentável torna Seguro Rural mais barato

Ondas de calor e veranicos: Diferenças, impactos e cuidados

Veja a previsão do tempo de hoje (22/07/2024)

Fungos estão se adaptando ao calor corporal, diz estudo

Semana de início das Olimpíadas tem dia do escritor e avós

Pega em flagrante ameaçando pessoas, dupla armada é detida em Alegre