Ouça a Rádio Ao Vivo

Promotor geral de Manhattan pede ordem de silêncio contra Trump

Nesta segunda-feira (26), os promotores de Manhattan pediram uma ordem de silêncio contra o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump . A ordem foi entregue ao juiz que supervisiona o processo criminal contra o empresário. Segundo o pedido, o objetivo é fazer com que Trump seja impedido de atacar testemunhas ou expor a identidade dos jurados, levando o argumento do “histórico de longa data do Sr. Trump de atacar testemunhas, investigadores, promotores, juízes e outros envolvidos em processos legais contra ele”.

O escritório do procurador-geral distrital de Manhattan, Alvin Bragg, procurou elaborar uma ordem mais restrita, seguindo os termos de uma ordem semelhante mantida pelo tribunal federal de Washington em outro caso do ex-presidente.

Caso seja aprovada a ordem de silêncio, Trump fica proibido de “fazer ou instruir outras pessoas a fazer” declarações sobre as testemunhas a respeito do caso. Ele também seria impedido de comentar sobre os promotores do caso e sobre os membros da equipe do tribunal.

O juiz do caso, Juan Merchan, também está sendo cobrado para que proteja os jurados do caso, impedindo que Trump revelasse publicamente suas identidades. Ainda que a equipe jurídica do ex-presidente possam saber os nomes, informações pessoas foram mantidas em segredo.

Este é o primeiro dos quatro processos criminal contra Trump a ser registrado em Manhattan. O empresário foi acusado de 34 crimes em 2023 pela promotoria, por supostamente ter  orquestrado o encobrimento de um possível escândalo sexual com uma estrela pornô.  O caso teria acontecido durante a campanha presidencial de 2016. Ele será julgado no dia 25 de março.

Trump já fez ataques públicos a uma das principais testemunhas de Bragg, o ex-conselheiro, Michael Cohen. O ex-aliado de Trump teria pago US$ 130 mil em suborno à Stormy Daniels para silenciar sua história de um caso extraconjugal. O valor teria sido reembolsado por Trump.

A equipe jurídica de  Trump pediu nesta segunda-feira que o juiz impedisse Cohen de testemunhar, alegando que ele é um “mentiroso”. Eles o acusam de perjúrio no julgamento de fraude civil e afirmam que suas declarações públicas indicavam que ele planeja novas mentiras. No caso citado, o juiz considerou cohen confiável e que disse a verdade. 

Fonte: Portal IG/ Foto: Reprodução/Flipar

fonte original do Montanhas Capixabas

Confira mais Notícias

Leptospirose: 85 casos suspeitos da doença foram registrados em Mimoso

Roberto Carlos: maior nome da música brasileira completa 83 anos na sexta (19)

Incêndio atinge empresa em Itaoca, distrito de Cachoeiro

Escritora atacada por pit bulls recebe alta após 13 dias internada

Cachoeiro: autorizada reforma do Centro de Saúde “Paulo Pereira Gomes”

Barbeiro é detido com moto clonada em Cachoeiro

Cachoeiro: Servidor da prefeitura perde braço após acidente de trabalho

Cachoeiro recebe evento de cidades inteligentes