Ouça a Rádio Ao Vivo

Invasores de Mimoso do Sul têm cinco dias para deixarem o local sem enfrentamento

Os ocupantes de mais de 100 barracas erguidas em uma área pública de Mimoso do Sul foram intimados pela Justiça, nesta terça-feira (23), a deixarem o local em caráter de urgência, com prazo de cinco dias corridos para saírem voluntariamente da locallidade de Alto Pratinha, sob pena de desocupação obrigatória.

Policiais militares e do serviço de inteligência da Polícia Civil (P2), acompanharam os oficiais de Justiça, durante a entrega do documento de intimação da Justiça com base no deferimento da liminar pedida pela Prefeitura de Mimoso do Sul.

O procurador Júnior Porcino falou em nome da prefeitura acerca da decisão. “De acordo com a decisão proferida nos autos da ação de reintegração de posse, ajuizada pelo município de Mimoso do Sul, foi determinado a desocupação da estrada pública municipal no prazo de 05 (cinco) dias de forma voluntária, sob pena de desocupação compulsória”, explicou o procurador.

Na ação de reintegração de posse o município argumenta que a ocupação se dá em logradouro público, ou seja, trata-se de um acampamento clandestino e ilegal.

Todos os integrantes do movimento de invasão que estavam no local foram notificados sem oferecer resistência. A expectativa é de que eles cumpram a decisão judicial e desobstruam a estrada pacificamente, sem a necessidade de enfrentamento com a polícia.

O outro lado

Um dos apoiadores do movimento de ocupação, que prefere ser identificado apenas como Edinho, nega que as famílias estejam obstruindo o acesso à localidade Alto Prainha e garante que vai recorrer da decisão da Justiça que deferiu o pedido de liminar feito pela prefeitura.

“Os carros passam um do lado do outro aqui, não há obstrução de via pública mesmo com as barracas no lugar, mas ordem judicial é para ser cumprida. No entanto, vamos recorrer e tentar reverter essa liminar mostrando que nosso movimento é legítimo, aqui só tem gente de bem cujo objetivo é apenas ter acesso à terra e reforma agrária.”

Edinho explicou que, se em cinco dias não conseguirem derrubar a limintar, os ocupantes vão sair do local. “A primeira ideia é conversar e derrubar a liminar porque não se trata de uma invasão mas ordem judicial não se questiona.”

“Estamos trabalhando com a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetaes) e com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Mimoso do Sul; queremos dialogar com a prefeitura porque esse acampamento não está prejudicando o município em nada”, finaliza ele.

Relembre o início do caso aqui

E o desdobramento aqui

fonte original do Dia a Dia ES

Confira mais Notícias

Prevenção contra a dengue deve ocorrer também em propriedades rurais

Mulher cai no rio Jucu após ouvir chamado de amiga falecida em Marechal Floriano

CRAS de Domingos Martins promove revisão cadastral para famílias de baixa renda

Mecanização é o caminho para a produtividade na silvicultura

Últimos dias para inscrição de trabalhos científicos acadêmicos na Favesu 2024

São Camilo: Governo garante bolsa a aprovados que tiveram matrículas canceladas

Homicídio em posto foi legítima defesa, conclui Delegacia de Marataízes

Suspeito de fingir ser policial civil é detido com arma em Alegre