Ouça a Rádio Ao Vivo

Homem do Rio de Janeiro foi infectado por Febre do Oropouche: entenda como age a doença

Um paciente de 42 anos registrou o  primeiro caso de Febre do Oropouche no Rio de Janeiro nessa quinta-feira (29). Morador do Humaitá, zona Sul da capital fluminense, o homem viajou recentemente ao Amazonas e, segundo autoridades, pode ter contraído o vírus na região.

O estado do Amazonas já contabiliza 1.398 casos da Febre do Oropouche neste ano – número três vezes maior que o registrado no ano passado. O exame que confirmou a infecção foi realizado pelo Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), da Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz). 

De acordo com informações da Secretaria de Saúde do Rio, o caso ainda é considerado como “importado” – isto é, veio de fora. O risco de transmissão desse vírus, segundo o  Ministério da Saúde, ocorre por meio de outros mosquitos, caso piquem um paciente infectado.

Apesar de não ter tratamento específico, autoridades não consideram a Febre do Oropouche uma doença grave. Veja mais abaixo. 

Entenda a Febre do Oropouche

Origem e Transmissão: A Febre do Oropouche é principalmente transmitida por mosquitos, com o vírus Orthobunyavirus oropoucheense (OROV) – de onde vem o nome – sendo mantido no sangue desses insetos após picar uma pessoa ou animal infectado. Os mosquitos podem então transmitir o vírus para outras pessoas saudáveis quando picam novamente. Atualmente, a situação mais crítica da doença no Brasil é no estado do Amazonas.

Sintomas: Os sintomas são semelhantes aos da dengue e chikungunya, incluindo dor de cabeça, dor muscular, nas articulações, náusea e diarreia. Essa semelhança dificulta o diagnóstico clínico, sendo crucial a vigilância epidemiológica para diferenciação.

No Acre, a Secretaria de Saúde tem recebido especialistas do Ministério da Saúde para  investigar se casos registrados como dengue seriam, na verdade, da Febre do Oropouche.

“Cabe destacar que a Febre do Oropouche foi descrita pela primeira vez na década de 60, mas não há, até o momento, registros de mortes associadas à doença. Conforme o Ministério da Saúde, não existe tratamento específico nem vacina para a febre do Oropouche, portanto, pacientes infectados devem permanecer em repouso, com tratamento sintomático e acompanhamento médico”, informou a Secretaria em nota.

Risco de surto: Embora o Rio de Janeiro tenha registrado um caso “importado” da doença, a possibilidade de um surto nacional é considerada baixa neste momento pelo Ministério da Saúde. No entanto, é fundamental monitorar a transmissão local para prevenir surtos.

Tratamento e Prevenção:  Não há tratamento específico para a FO, sendo recomendado repouso, tratamento sintomático e acompanhamento médico. A prevenção é similar à da dengue, com medidas como evitar áreas com muitos mosquitos, usar roupas que cubram o corpo e aplicar repelente nas áreas expostas da pele, além de eliminar possíveis locais de focos de mosquitos. Embora sem tratamento, a doença não é considerada grave.

Recomendações do Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde recomenda que os pacientes descansem, recebam tratamento para os sintomas e sejam acompanhados por médicos. Para prevenir a doença, são aconselháveis as mesmas medidas de prevenção à dengue:

  • Evitar áreas com muitos mosquitos, se possível.
  • Usar roupas que cubram o corpo e aplicar repelente nas áreas expostas da pele.
  • Manter a casa limpa, eliminando possíveis locais de reprodução de mosquitos, como água parada e folhas acumuladas.

Fonte: Portal IG/ Foto: Genilton J. Vieira/Fiocruz

fonte original do Montanhas Capixabas

Confira mais Notícias

Leptospirose: 85 casos suspeitos da doença foram registrados em Mimoso

Roberto Carlos: maior nome da música brasileira completa 83 anos na sexta (19)

Incêndio atinge empresa em Itaoca, distrito de Cachoeiro

Escritora atacada por pit bulls recebe alta após 13 dias internada

Cachoeiro: autorizada reforma do Centro de Saúde “Paulo Pereira Gomes”

Barbeiro é detido com moto clonada em Cachoeiro

Cachoeiro: Servidor da prefeitura perde braço após acidente de trabalho

Cachoeiro recebe evento de cidades inteligentes