Ouça a Rádio Ao Vivo

Espírito Santo aporta o maior investimento da história na sustentabilidade da cafeicultura capixaba

Líder em diversidade e inovação, a cafeicultura capixaba impulsiona a economia estadual com o avanço da sustentabilidade e da tecnologia. Nesta segunda-feira (18), o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), assinou o aporte de recursos para pesquisa e desenvolvimento sustentável da cafeicultura capixaba com investimentos de R$ 8,5 milhões. Esse é o maior volume de recursos da história do Espírito Santo, e também um dos mais relevantes do País, destinados a essa finalidade.

A assinatura da contratação dos projetos de pesquisa e extensão foi realizada no Palácio Anchieta, em Vitória, com a presença do governador Renato Casagrande. Os projetos serão contratados no âmbito do Programa de Incentivo à Pesquisa, à Extensão, ao Desenvolvimento e à Inovação Agropecuária (Inovagro), estabelecido por meio de resolução de parceria entre a Seag e a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes).

“Queremos que vocês possam produzir bastante café, mas com qualidade e sustentabilidade. Somos o Estado que mais faz investimentos, proporcionalmente, em inovação e pesquisa. Temos um programa de Estado e não de Governo. Vai chegar um outro governante e terá condições de tocar o programa. Temos um Estado organizado e para manter assim, temos que continuar focados e investindo em programas que possam dar suporte aos nossos produtores e gerando oportunidades aos capixabas”, pontuou o governador.

O Inovagro tem como objetivo principal subsidiar o desenvolvimento, a socialização, a implementação, a avaliação e o monitoramento das políticas públicas estratégicas do estado do Espírito Santo no âmbito da agricultura. O intuito é gerar soluções tecnológicas e sociais que impulsionem a inovação e o desenvolvimento sustentável da cafeicultura capixaba, de acordo com o secretário de Estado da Agricultura, Enio Bergoli.

“Para o desenvolvimento econômico e social de um Estado, é imprescindível o avanço em ciência, tecnologia, inovação e sustentabilidade. O café traz muitos benefícios e é fonte de renda e de estabilidade social para os capixabas. Hoje, o Governo do Estado realiza um importante investimento em pesquisas e socialização do conhecimento e conduz a nossa cafeicultura para este novo ciclo, dando ainda mais suporte para o desenvolvimento sustentável dessa cultura que é a força econômica da agricultura capixaba”, ressaltou Bergoli.

“A solenidade de hoje celebra um conjunto de ações em parceria que teve início em 2023 com o Programa Inovagro. O programa foi bem-sucedido e gerou resultados positivos que, agora, com o novo aporte de recursos, possibilitará avanços e desenvolvimentos adicionais em um conjunto de 11 projetos que serão contratados no 1º ciclo. A execução desses projetos, que desta vez terá foco na cafeicultura capixaba, irá beneficiar ainda mais a agricultura do Espírito Santo”, ressaltou o diretor-geral da Fapes, Rodrigo Varejão.

Os projetos que serão executados abrangem a implantação do currículo de sustentabilidade em mais de oito mil propriedades rurais, o protagonismo das mulheres na cafeicultura, a identificação do agente causador do cancro dos ramos do cafeeiro e tecnologias de enfrentamento a essa doença nova que tem atingido áreas de cultivo e a incidência e o monitoramento de mosca-das-frutas em cultivos consorciados de café com mamão. Além disso, haverá o projeto de monitoramento e avaliação de políticas públicas e dos resultados de outros 90 projetos contratados entre 2020 e 2022.

“Quando se trata de café, os olhos do mundo estão voltados ao Espírito Santo, conforme pude comprovar durante participação recente em evento nos Estados Unidos com representantes internacionais do setor. O que está sendo feito aqui hoje agrega valor ambiental, social e econômico, e coloca o Estado em posição de destaque em todo mundo”, afirmou o presidente do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), Márcio Cândido Ferreira.

SUSTENTABILIDADE DA CAFEICULTURA CAPIXABA

1) EXTENSÃO
Cinco projetos
R$ 5,45 milhões

Principais metas:
– 8.070 propriedades com currículo de sustentabilidade implantado;
– 92 unidades de referência em sustentabilidade;
– 99 unidades demonstrativas (irrigação e manejo, microterraceamento, cultivares, pós-colheita);
– 239 dias de campo, dias especiais ou cursos;
– 68 missões técnicas ou participação em feiras.

2) PESQUISA
Cinco projetos
R$ 1,45 milhão

Cancro dos ramos:
– Etiologia;
– Epidemiologia;
– Marcadores moleculares de clones;
– Seleção Massal.

Mosca-das-frutas:
Coffea canephora como hospedeiro.

3) MULHERES
Um projeto
R$ 838 mil

Principais metas:
– 1.000 cafeicultoras atendidas;
– 130 cursos, treinamentos e oficinas;
– 10 excursões técnicas;
– Realização do primeiro concurso estadual de cafés de mulheres;
– Unidade móvel de treinamento.

4) MONITORAMENTO
Um projeto
R$ 851 mil

Principais metas:
– 90 Projetos (2020-2022)
– 11 Projetos novos (2023 ->)
– Dashboard
– Mapeamento de UDs e URs
– Monitoramento e Avaliação de políticas públicas.

Fonte e fotos: SEAG

Confira a fonte original do Montanhas

Confira mais Notícias

Motorista de caminhão morre preso às ferragens em São José do Calçado

Assaltante é detido e produtos recuperados pela PM em Guaçuí

Colisão entre dois veículos deixa três feridos em Itapemirim

Duas motos recuperadas pela GCM em Cachoeiro na tarde desta sexta-feira

Vídeo: Homem morre dentro de casa noturna em Ibatiba

PP define data da convenção para confirmar candidatura de Ferraço

Resgate de cadáver no Itapemirim chama atenção no centro

Bebê amanhece morto em casa