Ouça a Rádio Ao Vivo

Dessalinização: ES busca tecnologia para ampliar abastecimento de água

Divulgação/Governo do ES

Com o objetivo de receber de empresas especializadas em estudos para a elaboração de modelagem que aponte solução para a conversão de água do mar em água potável e a capacidade para abastecer parte da Região Metropolitana da Grande Vitória, além de Anchieta e Aracruz, o Governo do Espírito Santo publicou nesta sexta-feira (09) o edital do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) Nº 001/2024. 

O documento foi divulgado no site da Secretaria de Desenvolvimento (Sedes). Vice-governador e titular da pasta, Ricardo Ferraço destaca a publicação do edital de PMI e a tecnologia disponível em outros países.

“Estivemos no Chile para conhecer de perto a experiência exitosa da usina de dessalinização em operação no deserto de Atacama, que desenvolve o processo usando água do Oceano Pacífico para abastecer residências na localidade. No final do ano passado, a empresa espanhola GS Inima protocolou manifestação de interesse na Sedes para instalar usinas de dessalinização em território capixaba. Nossa expectativa é de que, com a publicação, mais empresas com qualificação comprovada demonstrem interesse no processo”.

O PMI é o chamamento público para que empresas possam apresentar estudo de viabilidade e realizar o levantamento de dados sobre o projeto em questão. 

A iniciativa faz parte da carteira do Programa de Parcerias de Investimentos do Espírito Santo (PPI-ES). E será conduzida pela Secretaria de Desenvolvimento (Sedes) e a Companhia de Saneamento Espírito-santense (Cesan).

A partir da publicação, as empresas interessadas têm 30 dias para manifestar interesse quanto à elaboração dos estudos de viabilidade do projeto.

O Projeto do Sistema de Abastecimento de Água Dessalinizada deve abranger a captação, adução, tratamento, reservação e interligação ao sistema de abastecimento existente. 

O sistema deverá ser elaborado para atender aos padrões de potabilidade da Portaria GM/MS nº 888, de 04 de maio de 2021, que dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, ou por norma específica que a venha substituir ou atualizar, e o atendimento às recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

fonte original do Jornal Fato

Confira mais Notícias

Leptospirose: 85 casos suspeitos da doença foram registrados em Mimoso

Roberto Carlos: maior nome da música brasileira completa 83 anos na sexta (19)

Incêndio atinge empresa em Itaoca, distrito de Cachoeiro

Escritora atacada por pit bulls recebe alta após 13 dias internada

Cachoeiro: autorizada reforma do Centro de Saúde “Paulo Pereira Gomes”

Barbeiro é detido com moto clonada em Cachoeiro

Cachoeiro: Servidor da prefeitura perde braço após acidente de trabalho

Cachoeiro recebe evento de cidades inteligentes