Ouça a Rádio Ao Vivo

Deputado autor de PL do Aborto diz não abrir mão dos pontos principais do texto

Foto: Câmara dos deputados

O deputado  Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), autor do PL do Aborto , admitiu nesta quarta-feira (19) que o projeto pode sofrer alguns ajustes. Apesar disso, parlamentar fez questão de afirmar que não vai “abrir mão” da proposta principal do texto – a matéria equipara o estupro ao crime de homicídio simples.  

“O projeto pode ser amadurecido. Contribuições para enfrentar os estupradores com mais pena, estamos dispostos a cumprir e [fazer] ajustes no texto. Nunca vi um projeto de lei entrar nesta Casa [Câmara] e sair na segunda Casa [Senado] igual entrou”, disse Sóstenes, em conversa com jornalistas nesta quarta-feira (19).

“Nós vamos ainda aprimorar todos os âmbitos que forem necessários. Mas não abriremos mão do cerne do projeto, que é defender a vida (sic) do pequeno bebê. Isso é prioridade para todos nós”, acrescentou o deputado, um dos representantes da bancada evangélica na Câmara.

Na noite da última terça-feira (18), o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), já havia adiantado que o PL será votado apenas no segundo semestre deste ano . A medida acontece após a reação negativa ao texto, que gerou mobilização nas redes sociais e protestos nas principais cidades do Brasil. 

“Nós teremos mais alguns meses de debate até a votação, até a maturidade de todos. Tenho tanta confiança nesta Câmara dos Deputados, que é a legítima representante do povo, que assim como o regime de urgência foi votado sem a necessidade de votação nominal, chegaremos ao texto do mesmo jeito”, disse Sóstenes.

No evento com jornalistas, o pastor Silas Malafaia também reforçou que matéria sofrerá ajustes. “Não conheço nenhum projeto que entra aqui e é aprovado do jeito que entrou. Vai ter ajustes, vai ter debate”, disse o pastor, que também criticou as falas de Lula sobre o projeto .

“Eu fiquei vendo o Lula ontem dizer que o que nasce é um monstro. Monstro é esse estúpido, que não sabe o que está falando. Aquilo é um ser humano, que monstro, Presidente da República?”, acrescentou.

Proposta não tem aval de Pacheco

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), mais uma vez criticou o PL do Aborto. Nesta terça-feira (18), o senador classificou a proposta como uma irracionalidade. Na semana passada, ele já havia dito que não iria pautar o texto.

“Evidente que uma mulher estuprada ou uma menina estuprada tem direito de não conceber aquela criança. Essa é a lógica penal. Quando se discute a possibilidade de equiparar o aborto a qualquer momento a um crime de homicídio, definido pela Lei Penal como ‘matar alguém’, isso é, de fato, uma irracionalidade. Isso não tem o menor cabimento, a menor lógica, a menor razoabilidade”, disse.

OAB diz que texto é inconstitucional

A Ordem dos Advogados do Brasil também tratou de analisar o texto. Na última segunda-feira,  o órgão disse que a proposta de “inconstitucional, inconvencional e ilegal”.

O presidente da OAB também confirmou que iria conversar com Lira para barrar o projeto na Câmara. 

“A criminalização pretendida configura gravíssima violação aos direitos humanos de mulheres e meninas duramente conquistados ao longo da história, atentando flagrantemente contra a valores do estado democrático de direito e violando preceitos preconizados pela Constituição da República de 1988 e pelos Tratados e Convenções internacionais de Direitos Humanos ratificados pelo Estado brasileiro”, diz o parecer da OAB.

Fonte: Portal IG

fonte original do Montanhas Capixabas

Confira mais Notícias

Sem capacete, meninas são flagradas pela GCM trafegando com moto

Situação e oposição fazem convenções no mesmo dia em Marataízes

Cafeicultura sustentável torna Seguro Rural mais barato

Ondas de calor e veranicos: Diferenças, impactos e cuidados

Veja a previsão do tempo de hoje (22/07/2024)

Fungos estão se adaptando ao calor corporal, diz estudo

Semana de início das Olimpíadas tem dia do escritor e avós

Pega em flagrante ameaçando pessoas, dupla armada é detida em Alegre