Ouça a Rádio Ao Vivo

Começa nesta quarta-feira o julgamento do caso Robinho no STJ

Foto: Reprodução/ TV Record

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) começa a julgar, na tarde desta quarta-feira (20), o  caso Robinho. O tribunal irá decidir se aprova ou não que o ex-jogador cumpra no Brasil a pena de nove anos de prisão que foi determinada pela Justiça italiana, em 2022, por conta do crime de estupro coletivo cometido pelo ex-atleta contra uma jovem de origem albanesa, dentro de uma boate em Milão, em 2013.

O julgamento será realizado pela Corte Especial do STJ, que é composta pelos 15 ministros mais antigos do tribunal. Para que a condenação ao ex-jogador seja homologada, é preciso haver maioria simples de votos, ou seja, pelo menos oito ministros teriam de votar pelo cumprimento da pena de Robinho no Brasil. O relator do processo é o ministro Francisco Falcão, e a presidência da sessão está a cargo de Og Fernandes. Este último só votará em caso de empate.

Há, durante o julgamento, a possibilidade de que algum ministro faça pedido de vista, ou seja, mais tempo para analisar o caso. Se isto acontecer, o julgamento será interrompido e só deverá ser retomado dentro de alguns meses.

Caso não haja pedido de vista, os ministros poderão votar normalmente. Se o julgamento transcorrer até o fim e for aprovado o cumprimento da condenação de Robinho, vale ressaltar que mesmo assim o ex-atleta não deve ser preso de forma imediata no Brasil, já que ainda haverá a possibilidade de a defesa do ex-jogador apresentar recurso.

“Será possível apresentar recursos dentro do próprio STJ utilizando os chamados embargos de declaração. Estes têm o objetivo de esclarecer aspectos obscuros, omissões ou resolver contradições na decisão proferida pelo tribunal. Ainda, é uma opção recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Contudo, para que o recurso seja aceito nesse tribunal, é necessário que ele demonstre uma clara e direta violação à Constituição”, explica o advogado Renato Ribeiro de Almeida, doutor em Direito do Estado pela USP (Universidade de São Paulo).

Por que Robinho não cumpriu pena na Itália?

A Justiça italiana pediu, na época da condenação, que Robinho fosse extraditado para poder cumprir a pena no país em que foi condenado. No entanto, o Brasil não faz a extradição dos seus cidadãos. Por conta disso, a Itália solicitou que a sentença seja cumprida aqui.

Fonte: Portal IG

fonte original do Montanhas Capixabas

Confira mais Notícias

Leptospirose: 85 casos suspeitos da doença foram registrados em Mimoso

Roberto Carlos: maior nome da música brasileira completa 83 anos na sexta (19)

Incêndio atinge empresa em Itaoca, distrito de Cachoeiro

Escritora atacada por pit bulls recebe alta após 13 dias internada

Cachoeiro: autorizada reforma do Centro de Saúde “Paulo Pereira Gomes”

Barbeiro é detido com moto clonada em Cachoeiro

Cachoeiro: Servidor da prefeitura perde braço após acidente de trabalho

Cachoeiro recebe evento de cidades inteligentes