Ouça a Rádio Ao Vivo

Celulose produzida no Espírito Santo chega a 18 países

Celulose tem várias destinações, como alimentação, vestuário, medicina (remédios) e construção civil |  Foto: Arquivo/ AT

Segundo produto mais importante das exportações do agronegócio do Estado em 2023, a celulose capixaba chega a 18 países, tendo os Estados Unidos, a Turquia e a China como os principais destinos.

O volume das exportações do produto cresceu 6% do ano passado em comparação a 2022.

Além disso, as exportações da celulose do Estado somaram US$ 775,5 milhões (cerca de R$ 3,8 bilhões na cotação atual), aumento de 12,4% em comparação a 2022. Já o preço médio das divisas aumentou em 6%.

O secretário de Estado da Agricultura, Ênio Bergoli, diz que China e EUA representam cerca de 80% das exportações do Espírito Santo deste produto.

“Temos a fábrica da Suzano em Aracruz. Os principais produtores de madeira – que é utilizada não só para fazer a celulose, mas para outros produtos também –, são Aracruz, São Mateus e Conceição da Barra”, afirma.

O presidente da Federação da Agricultura do Estado (Faes), Júlio Rocha, explica que a celulose capixaba é principalmente utilizada para a produção de papel, mas que também é utilizada para outros produtos. “Muito usada também na construção civil”.

Principal componente da parede celular das plantas, a celulose é extraída principalmente do lenho das árvores de eucalipto e pinus. É a mais abundante de todos os compostos orgânicos que ocorrem atualmente: corresponde a 33% de toda a matéria vegetal presente na natureza. Para se ter uma ideia, 90% do algodão e 50% da madeira são de celulose.

Além do papel, essa fibra vegatal está presente em uma série de outros materiais e até mesmo em alimentos. Hambúrgueres, sorvetes, queijo ralado e até embutidos tem a celulose em sua composição.

Derivados de celulose também são utilizados para fabricar hidrogéis e formulações odontológicas, também sendo usado em revestimentos de comprimidos e cápsulas de medicamentos, na fabricação de curativos inteligentes e peles artificiais na medicina.

Na construção civil, a celulose também é utilizada para a confecção de painéis utilizados para divisórias de ambiente, conhecidos como drywall.

Recentemente, pesquisadores da Universidade Purdue, nos Estados Unidos, descobriram que a celulose pode deixar o concreto ainda mais resistente.

De acordo com a pesquisa, nanocristais de celulose ajudam a hidratar o concreto depois de misturado, o que evita que ele fique com poros e defeitos que prejudicam a resistência e a durabilidade. Os cientistas demonstraram que, com as partículas, a resistência à tração do concreto aumenta em 30%.

fonte original da Tribuna Online

Confira mais Notícias

Leptospirose: 85 casos suspeitos da doença foram registrados em Mimoso

Roberto Carlos: maior nome da música brasileira completa 83 anos na sexta (19)

Incêndio atinge empresa em Itaoca, distrito de Cachoeiro

Escritora atacada por pit bulls recebe alta após 13 dias internada

Cachoeiro: autorizada reforma do Centro de Saúde “Paulo Pereira Gomes”

Barbeiro é detido com moto clonada em Cachoeiro

Cachoeiro: Servidor da prefeitura perde braço após acidente de trabalho

Cachoeiro recebe evento de cidades inteligentes