Ouça a Rádio Ao Vivo

Cadela farejadora da Polícia Penal é usada para detectar dispositivos eletrônicos

Foto: Divulgação

No Grupamento de Operações com Cães (GOC), da Divisão de Operações Táticas (DOT) da Polícia Penal do Espírito Santo (PPES), Zaya, um pastor belga de Malinois, de 2 anos e 11 meses, se destacou na Operação – NEXUM 27, deflagrada pela Polícia Federal nessa terça-feira (19), ao encontrar um aparelho celular na casa de um dos presos. Ela é a única da tropa de cães a ser treinada para detecção de dispositivos eletrônicos.

O canil da Polícia Penal, instalado na sede da DOT, foi fundado em 2013 como uma ferramenta a mais na prevenção ao tráfico de entorpecentes. Atualmente, são 12 cães que são utilizados como cães de faro para entorpecentes. De acordo com a coordenadora do Grupamento de Operações com Cães, Cintya Salomão Rosetti Barbosa, além dessa função, Zaya também fareja arma, munições e dispositivo eletrônico (celular).

“Desde que a Zaya ingressou no canil aos três meses de idade, iniciamos um treinamento constante indispensável para a formação de cão seguro e sociável para trabalhar em todos os ambientes. Ela ainda está em formação, já que tem dois meses que está sendo treinada para detectar celular. Antes, ela era treinada para farejar outros odores”, explicou Cintya Rosetti.   

Operação Mute

A necessidade de ampliar a parte técnica dos cães e evoluir o canil da Polícia Penal surgiu com a Operação Mute, ação nacional que é uma iniciativa do Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen), para eliminar a comunicação ilegal nos presídios do País. Durante a Operação, servidores da Diretoria de Operação Tática e do Grupamento de Operações com Cães da Polícia Penal do Espírito Santo atuam com ações de revistas nas celas para localizar materiais ilícitos.

O objetivo agora é capacitar mais profissionais como condutores de cães para atuar em operações de detecção de substâncias ilícitas, como drogas, armas e objetos eletrônicos.

O nosso papel aqui é consubstanciar o trabalho da DOT com o cão de detecçãoPor isso, iniciamos o I Curso de Condutores de Cães Policiais (CCCP), que irá habilitar mais policiais penais para atuarem em operações prisionais com cães e demais missões atribuídas ao Grupo de Operações, esclareceu Cintya Rosetti.

Fonte: Governo ES

fonte original do Montanhas Capixabas

Confira mais Notícias

Sem capacete, meninas são flagradas pela GCM trafegando com moto

Situação e oposição fazem convenções no mesmo dia em Marataízes

Cafeicultura sustentável torna Seguro Rural mais barato

Ondas de calor e veranicos: Diferenças, impactos e cuidados

Veja a previsão do tempo de hoje (22/07/2024)

Fungos estão se adaptando ao calor corporal, diz estudo

Semana de início das Olimpíadas tem dia do escritor e avós

Pega em flagrante ameaçando pessoas, dupla armada é detida em Alegre