Ouça a Rádio Ao Vivo

Após nota, deputado garante que PL terá candidato a prefeito em Cachoeiro

O deputado estadual Wellington Callegari e os vereadores Júnio Corrêa e Léo Camargo

A nota oficial do vereador José Carlos Corrêa Cardoso Júnior, presidente do PL em Cachoeiro, publicada na última quinta-feira (8), pegou de surpresa os filiados, inclusive os mais influentes. Diante da iminente saída do parlamentar do partido, após tornar pública divergência com o senador Magno Malta, que comanda a sigla no Estado, a agremiação analisa o cenário em busca de nome alternativo para disputar a Prefeitura de Cachoeiro.

Apontado como opção, o deputado estadual Wellington Callegari é taxativo ao declinar da possibilidade. Mantém a mesma veemência ao garantir que o PL terá, sim, candidato a prefeito no município.

Opção natural, o vereador Leonardo Camargo tem outros planos. “O partido sabe qual é o meu objetivo, e esse objetivo não seria ser candidato a prefeito no momento e sim lutar para ser vereador mais votado da história de Cachoeiro”, explica.

Ele, no entanto, deixa uma brecha: poderia até ser candidato a prefeito, caso o partido opte por ele, mas apenas se Juninho Corrêa não for.

A verdade é que a nota do presidente municipal do PL causou transtornos para a sigla. Nem Callegari, nem Léo Camargo foram consultados ou sequer comunicados de que Corrêa a publicaria. E a rota de colisão entre o pré-candidato a prefeito e o senador Magno Malta inviabiliza sua permanência no PL.

Segundo Callegari, Magno Malta tem a total confiança de Jair Bolsonaro no Espírito Santo, é a principal liderança do partido e quem é filiado deve estar alinhado ao presidente estadual do PL. Desde a nota de Juninho, o deputado estadual e o senador têm conversado sobre a situação do partido em Cachoeiro, e só depois de consultá-lo Callegari, enfim, se posicionou nas redes sociais.

E o fez de maneira elogiosa em relação a sua amizade com o vereador, a quem incentivou entrar na política, mas firme ao garantir que o plano do partido continua o mesmo em Cachoeiro: disputar a Prefeitura e manter forte a chapa de candidatos a vereador, com ou sem Juninho Corrêa.

Este, por sua vez, aponta – na nota – que divergências internas quanto à condução das articulações e dificuldades de diálogo com Malta levaram-no a reavaliar seu futuro político, discutindo possíveis caminhos com líderes locais. O que foi entendido como clara sinalização de que estaria prestes a deixar o partido. Ele tem sido cortejado pelo PP.

No post de Callegari sobre o caso, Magno Malta se manifestou de maneira lacônica. “Tem (Callegari) o crédito do seu partido e do povo de Cachoeiro. Lealdade é tudo”, publicou.

fonte original do Jornal Fato

Confira mais Notícias

Leptospirose: 85 casos suspeitos da doença foram registrados em Mimoso

Roberto Carlos: maior nome da música brasileira completa 83 anos na sexta (19)

Incêndio atinge empresa em Itaoca, distrito de Cachoeiro

Escritora atacada por pit bulls recebe alta após 13 dias internada

Cachoeiro: autorizada reforma do Centro de Saúde “Paulo Pereira Gomes”

Barbeiro é detido com moto clonada em Cachoeiro

Cachoeiro: Servidor da prefeitura perde braço após acidente de trabalho

Cachoeiro recebe evento de cidades inteligentes